Quando Jesus se apresenta nada o detém

No último mês falamos sobre um homem que recolheu as vestes de Estevão, morto apedrejado, acusado injustamente de blasfemas contra Deus. Esse homem era Saulo de Tarso, um judeu perseguidor ferrenho dos cristãos que defendia suas convicções de forma veemente e, às vezes, até violenta. “E Saulo assolava a igreja, entrando pelas casas; e, arrastando homens e mulheres, os encerrava na prisão”, Atos dos Apóstolos 8:3.

Sendo nascido na cidade Grega de Tarso, Saulo não era soldado romano, segundo historiadores. Isso porque prestar serviço militar para Romanos, sendo Judeu, era uma heresia. E Saulo, zelava pelas leis e costumes judaicos. Saulo era homem respeitado e conhecedor de várias línguas, membro da Assembleia do Sinédrio. Mas, mesmo sendo importante, não sabia que encontraria o Rei dos Reis no caminho de Damasco.

O mais interessante na passagem a seguir é que Saulo solicita ao Sumo Sacerdote cartas para perseguir, encontrar e matar os que seguiam Jesus em Samaria. “E Saulo, respirando ainda ameaças e mortes contra os discípulos do Senhor, dirigiu-se ao sumo sacerdote. E pediu-lhe cartas para Damasco, para as sinagogas, a fim de que, se encontrasse alguns deste Caminho, quer homens quer mulheres, os conduzisse presos a Jerusalém”, Atos dos Apóstolos 9:1-2.

Na sequencia do texto bíblico os planos do mal foram convertidos quando Saulo tem um encontro impactante com Jesus. “E, indo no caminho, aconteceu que, chegando perto de Damasco, subitamente o cercou um resplendor de luz do céu. E, caindo em terra, ouviu uma voz que lhe dizia: Saulo, Saulo, por que me persegues? E ele disse: Quem és, Senhor? E disse o Senhor: Eu sou Jesus, a quem tu persegues. Duro é para ti recalcitrar contra os aguilhões. E ele, tremendo e atônito, disse: Senhor, que queres que eu faça? E disse-lhe o Senhor: Levanta-te, e entra na cidade, e lá te será dito o que te convém fazer. E os homens, que iam com ele, pararam espantados, ouvindo a voz, mas não vendo ninguém. E Saulo levantou-se da terra, e, abrindo os olhos, não via a ninguém. E, guiando-o pela mão, o conduziram a Damasco”, Atos dos Apóstolos 9:3-8.

Note que Saulo passa de homem perseguidor a um humilde servo, quando pergunta a Jesus “que queres que eu faça”. O mais interessante é que essa expressão foi usada por Jesus na cura de leprosos, cegos e coxos, com uma diferença: Saulo naquele momento sabia que não podia fazer mais nada contra o povo Cristão porque ele acabava de se converter.

Saulo entra em Damasco ainda cego, não come nem bebe por três dias e se encontra com o profeta Ananias. “E disse-lhe o Senhor: Levanta-te, e vai à rua chamada Direita, e pergunta em casa de Judas por um homem de Tarso chamado Saulo; pois eis que ele está orando”, Atos dos Apóstolos 9:11. É lindo saber que, mesmo os perseguidores mais ferrenhos do povo de Deus, nos momentos de aflição oram por um milagre e pela presença de Cristo.

O profeta Ananias tinha medo de Saulo. Ele sabia que o homem de Tarso tinha poder para prender qualquer um que pregava o Evangelho, as boas novas. “Disse-lhe, porém, o Senhor: Vai, porque este é para mim um vaso escolhido, para levar o meu nome diante dos gentios, e dos reis e dos filhos de Israel. E eu lhe mostrarei quanto deve padecer pelo meu nome”, Atos dos Apóstolos 9:13-16. Neste momento, Jesus nos mostra que quando ele tem para si escolhidos, nada pode deter seu poder sobre aquela pessoa.

Ananias obedece a Jesus, vai à Rua Direita e o Senhor enche Saulo do Espírito Santo de Deus. Saulo é batizado, as escamas dos olhos caem e ele recupera a visão, podendo experimentar o primeiro milagre de Jesus na sua vida. Aqui, abro parênteses para aqueles que duvidam do poder de Deus e da transformação das pessoas, por piores que sejam. Quando Jesus entra em suas vidas, nada impede que a mudança aconteça verdadeiramente.

As pessoas duvidavam da conversão de Saulo. E pode ser que isso aconteça com você, muitos olham e não acreditam na sua mudança. Mas que essa mudança não seja apenas externa, mas que a árvore seja conhecida pelo seu fruto. “Porque não é boa a árvore a que dá maus frutos, nem má árvore a que dá bons frutos. Porquanto cada árvore é conhecida pelo seu fruto. Porque nem os homens colhem figos dos espinheiros, nem dos abrolhos vindimam uvas. O homem bom, do bom tesouro do seu coração tira o bem; e o homem mau, do mau tesouro tira o mal. Porque, do que está cheio o coração, disso é que fala a boca”. Lucas, 6: 43-45.

Saulo à medida que vai convivendo com os discípulos e os gentios passam a ser chamado de Paulo. Não se trata de uma mudança de nome, pois as escrituras apontam: “Todavia Saulo, que também se chama Paulo, cheio do Espírito Santo, e fixando os olhos nele”, Atos dos Apóstolos 13:9. A partir daí, as citações bíblicas passam a apontá-lo como Paulo. O Pr. Orlando Martins em seu artigo “Saulo virou Paulo?” diz que Saulo não virou Paulo, ambos os nomes eram empregados em situações e contextos diferentes.

O certo é que não é esse o tema central. O mais importante é que Paulo se torna um dos principais homens na pregação do Evangelho de Cristo. Este homem, por amor a Jesus foi perseguido, preso e humilhado. Historiadores afirmam que Paulo foi torturado e depois decapitado pelo maligno imperador Nero em Roma em 67 d.C.

Paulo tinha dois caminhos e uma escolha. Ele tomou a melhor decisão: parar de perseguir Jesus e seu povo e se juntar a eles na missão de evangelizar e pregar Seu amor. Deus abençoe todos os queridos leitores.

Que a Paz do Senhor Jesus esteja com todos.