NOSSA HISTÓRIA. Na crônica de sua estreia, Tião Loló fala das lembranças da Avenida Rui Barbosa

Mais um colunista de qualidade estreia na Rede Hoje. Reconhecido como um dos melhores diretores do Colégio Olímpio dos Santos, Sebastião Guimarães Cortes, conhecido por todos como Tião Loló - dos tempos de líder do grupo AZT,  professor, goleiro do União, secretário de Cultura de Patrocínio, etc - é mais um convidado a aceitar nosso convite para escrever suas crônicas aqui. Ele contará histórias de sua geração(ao melhor estilo de "O Som da Memória" que é a minha coluna também sobre histórias de um passado não tão distante). Semanalmente, você vai se deliciar com estas crônicas a partir de hoje, começando pela lendária Rui Barbosa - hoje uma avenida moderna. Como fazemos com nossos amigos em nossa casa, desejamos muito sucesso ao nosso amigo. Seja bem vindo, Tião. Luiz Antônio Costa, diretor da Rede Hoje.


Avenida Rui Barbosa


Crônica de Sebastiao Guimaraes

Hoje quero relembrar para alguns e contar para outros como era a Avenida Rui Barbosa; que além de ser a porta de entrada da cidade, guarda muitas lembranças de pessoas importantes e anônimas, mas que fizeram parte da nossa história.

ruibarbosa-vista-antiga2

Na esquina da Rui Barbosa com a Faria Pereira existia o Posto de Gasolina da FORD e em cima funcionava um Bar chamado de Carlitos, onde hoje é a Pizzaria Canellone, no Prédio do Banco do Brasil funcionava a Banca de Sinuca e aluguel de Bicicleta do Santinho.

Na outra esquina, tinha o Bar Cinelândia do Sr. Zé Elias, onde tinha um pastel gostosíssimo e hoje funciona a Farmácia Nacional 24 horas. Em frente, havia o posto de gasolina e a Loja Veterinária da Cooperativa onde funciona hoje a Marisa Cosméticos e outras lojas. Na avenida, existiam duas árvores de Flamboyant de cada lado do canteiro central que eram lindas, mas foram cortadas e plantaram uma centralizada no canteiro.

Subindo pela avenida ainda podemos citar muitos personagens e comércios; como a Fábrica de Picolé Kí-Espumoso do saudoso Sr. Zé Cardoso que funcionava onde está hoje a Cinderela Calçados. Ao lado, era a casa do tenente Amorim que passava grande parte do dia sentado no banco do seu alpendre para observar o movimento e cumprimentar a todos, lá hoje está a Amorim engenharia. A casa do meu padrinho, Joaquim Caetano, virou a Popular Calçados, a GL Eletromóveis virou HT Calçados, a Pensão Avenida do Sr. Pedrinho virou Companhia da Moda, a loja Agropecuária CAMIG, onde trabalhavam meus amigos Clésio e Carlinhos, virou Colchões Reon. A casa da Sra. Olga Whady virou JETSEG Seguros, a casa 

ruibarbosa-vista-antiga3do Sr. Abraão Gabriel virou Sacolão Folha Verde, o antigo Armazém dos operários transformou-se em várias lojas, o bar Café Mirim e a Barbearia Brasil (fui engraxate na porta) transformaram-se em Edifício Vila Rica. A casa do Sr. Antônio virou várias lojas junto a Drogaria União, a Boutique da Fia Marra em Drogaria Bessa, a casa da Dona Mariquita em Açougue Chicken-in, a Padaria Maracanã e a casa que eram dos meus pais em Shopping Ouro Verde, a engarrafadora da Caninha Douradinha em Lanchonete Mineira, o casarão do Sr. Kebinha Guarda, na esquina, em uma linda casa, o armazém Guimarães em Topa Tudo, a Padaria Cristal no Condomínio Monalisa, a casa do Sr. Ricardo e Dona Silveira em Pizzaria Carretão. Acima do viaduto a Pensão dos Viajantes transformou –se em Loja de Veículos, as casinhas do José Ribeiro (Vila Maçônica) na Veja Automóveis e Barbosão, o campo de Futebol do Ferroviário (joguei muitas vezes lá) em Oficina Brumado , Juninho Veículos e Máster Automóveis, a Loja de Máquinas e implementos em Posto Avenida, a Boate Jandaia em Transportadora e o parque de exposição em várias lojas de veículos.


Realmente muitas coisas mudaram, muitas pessoas já se foram, mas ficaram as histórias e saudades de um tempo que tínhamos mais tempo, que amigo era mais amigo, que visitar alguém ou receber uma visita era habitual e que ser vizinho de alguém era grande honra.

Sei que falar sobre a Avenida me deu uma grande saudade de tudo e de todos, mas de uma coisa tenho certeza, fiz parte com muito orgulho da avenida Rui Barbosa, afinal de contas passei quase toda minha vida ali, são 43 anos de lindas histórias.


radio-hoje-banner-686x113