MAIS ESPAÇO. A Libras no atual cenário brasileiro

 Reconhecida oficialmente pela Lei Federal n° 10436, de 24 de abril de 2002, a Libras – Língua Brasileira de Sinais se tornou a segunda língua do Brasil.

libras

 

 


*Por Camila Giordani  e  Vania Abadia de Souza Ferreira| Rede Hoje


Recentemente, a Libras ganhou visibilidade nos horários políticos e ainda, presenciamos um dos discursos mais emocionantes em uma cerimônia de posse, realizado pela primeira dama do Brasil. E parafraseando o colega de tradução, Vinícius Nascimento: “Ela realizou o que nós, estudiosos, pesquisadores e militantes da causa defendemos há anos: colocou a língua de sinais no mesmo patamar de importância do português. A Libras não estava na janela. Os surdos não precisaram abaixar a cabeça para ver a tradução minimizada na janelinha. Eles viram um discurso oficial em sua língua e assistiram a interpretação lado a lado do discurso de um presidente na mais importante cerimônia da nossa democracia. Isso é, sem dúvida, um ganho histórico para a comunidade surda e para todo o país.”

Outro ponto importante e visível neste novo cenário é a figura do tradutor e intérprete de Libras. De acordo com a Lei Brasileira de Inclusão (LBI) n° 13146, de 06 de julho de 2015, em seu artigo 28, dispõe que:

§ 2o  Na disponibilização de tradutores e intérpretes da Libras a que se refere o inciso XI do caput deste artigo, deve-se observar o seguinte:

I - os tradutores e intérpretes da Libras atuantes na educação básica devem, no mínimo, possuir ensino médio completo e certificado de proficiência na Libras; (Prolibras)      

II - os tradutores e intérpretes da Libras, quando direcionados à tarefa de interpretar nas salas de aula dos cursos de graduação e pós-graduação, devem possuir nível superior, com habilitação, prioritariamente, em Tradução e Interpretação em Libras. (Letras-Libras)”

Portanto, a função do tradutor e intérprete de Libras, é interpretar de uma dada língua de sinais para outro idioma, ou deste outro idioma para uma determina língua de sinais. Este profissional precisa dominar tanto a língua de sinais quanto a língua oral do Brasil, bem como, ser qualificado para desempenhar a função. 

Findamos este texto com as palavras de Fernando César Capovilla, pesquisador e professor do Instituto de Psicologia da USP:

É preciso apoiar todas as pesquisas na área. O Ministério da Ciência e Tecnologia (MCT) e o Ministério da Educação (MEC) devem coordenar esforços para isto. Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq) , e Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (Capes) e órgãos de fomento estaduais. Induzir demanda de pesquisas para descobrir e calibrar e desenvolver soluções.”


 Camila Giordani (Pedagoga do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia (IFTM) – Campus Patrocínio)

Vania Abadia de Souza Ferreira (Professora de Libras do Centro Universitário do Cerrado-Patrocínio/ Unicerp e Tradutora e Intérprete de Libras do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia (IFTM) – Campus Patrocínio)