MÓDULO II. Uberaba tem 2018 jogado fora por causa de má arbitragem; Guarani e Tupynambás, estão na elite mineira

Um gol legítimo do Zebú, anulado, pôs no ralo o trabalho do ano

 

gauxubera

Mesmo jogando no Farião, em Divinópolis, o Uberaba venceu, mas não foi suficiente. Fotos: Divulgação| FMF


 Luiz Antônio Costa

Rede Hoje


De nada valeram os trabalhos e sacrifícios da diretoria, comissão técnica e, principalmente dos jogadores do Uberaba Sport. Um apito pôs tudo a perder no time do Triângulo, que investiu, especialmente quando levou o técnico Rogério Henrique, o diretor Estéfano Caetano e reforços como Mário César para tentar retornar à elite de Minas. Tudo isso foi sacrificado, principalmente, no primeiro jogo das semifinais. 

 

Após vencer o primeiro jogo contra o Uberaba, por 1 a 0, na semana passada, na tarde deste sábado (21), o Bugre amargou do mesmo placar, no Farião, em Divinópolis. Estes resultados fizeram com que o Bugre recorresse à campanha de líder da primeira fase para garantir a classificação.

 

O Uberaba pode dizer que teve o ano parado no apito. Não há meias palavras para dizer o que ocorreu com o time do Triângulo. Neste sábado(21), o Zebú venceu o Guani em Divinópolis por 1 a 0, gol de Mario César, aos 48 minutos da segunda etapa, porém a melhor campanha da primeira fase e a arbitragem no primeiro jogo das semifinais foram os diferenciais que deram ao Guarani o direito de seguir na disputa pelo título do Módulo II e a garantir vaga na divisão da elite mineira.

 

Nos primeiro jogo, no Uberabão, o Guarani venceu por 1 a 0, mas o Uberaba teve um gol legítimo – de Lino, que marcou num rebote do goleiro - anulado pelo árbitro do jogo, Felipe Fernandes de Lima, depois do impedimento anotado erroneamente pelo auxiliar numero 1, Marco Aurelio Fazekas.

 

A diretoria do USC, enviou nota oficial à Federação Mineira de Futebol, formalizou reclamação contra a arbitragem. A entidade também recebeu mensagens de protesto de torcedores e admitiu e lamentou os erros. O árbitro, Felipe Fernandes de Lima e o assistente que apontou impedimento equivocadamente, Marco Aurelio Fazekas, foram afastados, mas isso não resolve o prejuizo uberabense.

 

ARBITRAGEM, DE NOVO. Depois do jogo deste sábado, os atletas do Uberaba reclamaram que a arbitragem “amarrou” o jogo. Claro, como não poderia ser diferente, os jogadores do Zebu mais uma vez reclamaram e também lembraram o gol legal anulado no primeiro duelo da semifinal.

 

De acordo com o regulamento, o Guarani mantém a vantagem da fase classificatória. A decisão do título, entre Tupynambás e Guarani, começa no próximo final de semana, em Juiz de Fora. A finalíssima será em Divinópolis.

 

TUPYN

O Tupynambás foi a Teófilo Otoni buscar a classificação. Fotos: Divulgação|FMF

 

TUPYNAMBÁS. Depois do empate sem gols, no primeiro jogo, em Juiz de Fora, o Tupynambás foi a Teófilo Otoni e venceu o América, por 2 a 1, garantindo a vaga para a final do Módulo II e a disputa do Módulo I, em 2019.

 

Na decisão do Nassri Mattar, após um primeiro tempo sem gols, o Baeta abriu o placar com Yan Carlos e viu os donos da casa empatarem, com Jonathan. A vitória, sucedida da vaga na final, veio com o gol do matador Ademilson que liquidou a fatura e assegurou mais um Clube de Juiz de Fora na divisão de elite do Futebol Mineiro.

 

A disputa pelo título de campeão será em dois jogos e começa no próximo final de semana. A primeira partida entre Tupynambás e Guarani, será em Juiz de Fora e terá data e horário divulgados na segunda-feira, pelo DCO.