Fred é o segundo pior camisa 9 canarinho na história das Copas

Tomando como parâmetro de competência o número de gols marcados, o centroavante do Brasil, até agora, só perde para Alcindo, que não fez gols em 1966

Fred
Até agora, os números de Fred são bastante desanimadores nesta Copa do Mundo no Brasil

Todas as reclamações da torcida brasileira em relação à atuação de Fred nesta Copa do Mundo, tem justificativa histórica. O atacante mineiro carrega, até agora, o infame título de "pior camisa 9" da seleção Brasileira em Copas do Mundo, quando o quesito é marcar gols; sempre um bom parâmetro quando se avalia centroavantes.

Fred atuou durante 402 minutos no torneio e só balançou as redes uma vez, diante de Camarões, na fase de grupos, em cinco jogos disputado. Até agora, os números ruins do atacante do Fluminense são superados apenas pela apagada participação de Alcindo, na Copa de 1966, que deixou a competição sem anotar nenhum tento.

Para deixar a situação ainda mais desconfortável para o atual 9 da seleção, ele até agora tem o mesmo número de gols marcados que teve no torneio anterior, em 2010. Com uma pequena diferença: na África do Sul, Fred era reserva de Luis Fabiano (que marcou 3 gols em toda a competição), atuando bem menos. Mas precisou de apenas dois minutos para anotar um gol contra a Austrália.

Confira os números dos centroavantes titulares do Brasil em cada uma das Copas do Mundo segundo a Fifa:

2014: Fred, um gol, cinco jogos, 402 minutos jogados
2010: Luis Fabiano, três gols, cinco jogos, 418 minutos jogados
2006: Ronaldo, três gols, cinco jogos, 411 minutos jogados
2002: Ronaldo, oito gols, sete jogos, 548 minutos jogados
1998: Ronaldo, quatro gols, sete jogos, 660 minutos jogados
1994: Romário, cinco gols, sete jogos, 660 minutos jogados
1990: Careca, dois gols, quatro jogos, 353 minutos jogados
1986: Careca, cinco gols, cinco jogos, 480 minutos jogados
1982: Serginho Chulapa, dois gols, cinco jogos, 404 minutos jogados
1978: Roberto Dinamite, três gols, cinco jogos, 450 minutos jogados
1974: Jairzinho, dois gols, sete jogos, 630 minutos jogados
1970: Tostão, dois gols, seis jogos, 518 minutos jogados
1966: Alcindo, nenhum gol, dois jogos, 180 minutos jogados
1962: Vavá, quatro gols, seis jogos, 540 minutos jogados
1958: Vavá, cinco gols, quatro jogos, 360 minutos jogados
1954: Baltazar, um gol, dois jogos, 210 minutos jogados
1950: Ademir, oito gols, seis jogos, 540 minutos jogados
1938: Leônidas, sete gols, quatro jogos, 420 minutos jogados
1934: Leônidas, um gol, um jogo, 90 minutos jogados
1930: Preguinho, três gols, dois jogos, 180 minutos jogados

(O Tempo)