Argentina vence Holanda nos pênaltis e vai à final contra Alemanha

Foto: Frank Augusten - AP

ap20140709-messi-bate-falta

Num dos lances mais fortes da Argentino, Messi bateu falta e o goleiro Cillessen defendeu sem dar rebote.

Luiz Claudio Ferreira

A Argentina está na final da Copa do Mundo, no domingo (13), e tentará tricampeonato contra a Alemanha, no Maracanã. É a terceira vez que as seleções se encontram em uma decisão. A seleção sul-americana venceu a Holanda nos pênaltis por 4 a 2, em um jogo que acabou em 0 a 0, tanto no tempo regulamentar como na prorrogação. À seleção europeia, resta disputar a terceira colocação no sábado, em Brasília, contra o Brasil. 

O jogo – As duas equipes iniciaram a partida de forma cautelosa. Havia dificuldade de atravessar as defesas. Assim, os jogadores de meio de campo trocavam passes e não evoluíam com jogadas mais agudas. O primeiro chute a gol foi só aos 12 minutos, do holandês Sneijder. A bola saiu à direita do gol.

Em resposta, no lance seguinte, a Argentina conseguiu uma boa jogada com Pérez, que acabou derrubado na entrada da área. Messi bateu e o goleiro Cillessen defendeu sem dar rebote. A partir disso, o craque argentino apareceu mais para o jogo e criar lances principalmente pelo lado direito do campo com Lavezzi. NO entanto, cruzamentos eram interceptados antes de chegar em Higuaín no centro da área Mas a zaga da seleção europeia se segurava.

A partida seguiu equilibrada até o final do primeiro tempo, embora a Argentina tentasse mais com cruzamentos. Foram 10 bolas alçadas na área e apenas três finalizações da seleção sul-americana. A Holanda, por sua vez, chutou apenas uma vez.  “A Argentina marca muito bem, o que dificulta bastante o trabalho da Holanda”, comentou Jorge Ramos, das rádios EBC. “Há um cuidado exagerado dos dois lados. Esperamos um segundo tempo com mais futebol”, considerou Orlando Duarte.

Segundo tempo - Na etapa final, as posturas eram semelhantes às do primeiro tempo. Enquanto a Argentina insistia em jogadas pela direita com Lavezzi, a Holanda tentava chegar com contra-ataques pelos pés de Robben e Sneijder. Mas eram raras as oportunidades, já que a seleção sul-americana marcava bem. Os holandeses também cercavam Messi de perto. Mas mesmo assim, o craque argentino criava chances. Aos 27 minutos, uma das melhores chances foi com um cruzamento para Higuaín, que desviou a bola. Houve quem visse dentro do gol, mas tocou na rede pelo lado de fora.  

A Holanda conseguiu ensaiar uma pressão no final do tempo regulamentar. A melhor chance foi com Robben, aos 45 minutos, depois que recebeu passe de Sneijder na cara do gol. Ele demorou a concluir e a zaga afastou. Foi a última chance para evitar a prorrogação.

Prorrogação - No tempo extra, foi a Holanda que partiu para cima. Robben fez boa jogada dentro da área e a zaga tirou para escanteio. A seleção europeia voltou melhor e passou a ameaçar. A Argentina se segurava mais e ia menos ao ataque. Aos 10 minutos do segundo tempo, Palacio teve chance ao ficar na cara do gol. Ele tentou encobrir o goleiro holandês com cabeceada, mas Cillessen salvou. Messi fazia partida apagada, mas no minuto seguinte, ele driblou dois pela direita e cruzou. Maxi Rodriguez chutou fraco. A Holanda ainda tentou com Robben em duas oportunidades, e as equipes se conformaram com os pênaltis após final de equilíbrio com posse de bola: Holanda (53%) e Argentina (47%).

Pênaltis - Desta vez, o técnico holandês Louis Van Gaal não trocou o goleiro, como ocorreu na decisão anterior com a Costa Rica. O herói foi o goleiro da Argentina Romero. A Argentina marcou com Messi, Garay, Aguero e Maxi Rodriguez. Pela Holanda, Robben e Kuyt marcaram, mas Romero defendeu os pênaltis de Vlaar e  Sneidjer

Ficha do jogo

Tempo regulamentar: Holanda 0 x 0 Argentina

Itaquerão – São Paulo (SP) - 9 de julho de 2014

Holanda: Cillessen, Kuyt, Vlaar, De Vrij e  Martins Indi (Janmaat),   Blind, Georginio Wijnaldum , Sneijder e De Jong (Clasie), Robben e Van Persie (Huntelaar)

Argentina: Romero, Zabaleta, Demichelis, Garay  e Rojo, Biglia, Mascherano, Pérez (Palacio) e Messi, Higuaín (Aguero)  e Lavezzi (Max Rodriguez)


 

Luiz Claudio Ferreira - Portal EBC