COOPA. Depois de dois anos diretoria da Coopa consegue equacionar endividamento de mais de R$ 127 milhões

 A dívida bancária que era de  R$ 127 milhões no dia 30 de maio de 2017 caiu para R$ 29 milhões em 2019

Fotos: Rede Hoje

fausto-coopa3

O presidente da Coopa Fausto Amaral  expôs a situação da instituição na apresentação da 13a Fenicoopa


Luiz Antônio Costa | Rede Hoje


fausto-coopaFausto Amaral da Fonseca, presidente da Coopa

 

O Conselho de Administração da Cooperativa Agropecuária de Patrocínio(Copa) apresentou este mes,o resultados de recuperação da empresa. Depois de 2 anos que tomou posse, os resultados apresentados foram mais que satisfatório, segundo um associado.

Veja a a reportagem completa no TV Hoje Notícias Especial, da TV Hoje.

    Fausto Amaral da Fonseca, presidente da Coopa, diz que os novos diretores conseguiram nesse período superar a fase do que estava vencido, "apresentando para comunidade e  nossos associados - que são os maiores os interessados - que, de fato, nós conseguimos não ter mais atrasos na cooperativa, inclusive com os bancos". 

       OS NÚMEROS. O cenário da crise era o seguinte: o endividamento da Coopa em 31 de maio de 2017, era de  127,8 milhões de reais, dos quais R$ 85,1 milhões era de endividamento bancário; despesas operacionais elevadas; 19 Conselheiros de administração remunerados, um vice-presidente remunerado, seis conselheiros fiscais remunerados e redução do quadro social. De 3050 sócios em 2015 caiu para 1543 em 2019. A cooperativa teve 22 milhões de reais de prejuízo em 2016, e 19 milhões de prejuízos em 2017; tinha alto investimento imobilizado e o Serasa acima de 40 milhões de reais.

Foram feitas várias mudanças a partir de junho de 2017. A primeira foi o afastamento da diretoria pelos associados em Assembleia. Depois foram implantados um novo modelo de gestão e novo propósito de atuação, com prioridade absoluta ao associado. Também foi feita a recuperação econômica e credibilidade. A nova composição da diretoria e conselhos que passaram a ter: 7 conselheiros de administração, não remunerados; um vice-presidente, também não remunerado; um presidente e seis conselheiros fiscais.

Para o enfrentamento da crise foram tomadas as seguintes decisões: transparência com informação real da situação aos associados; negociação com todos os credores; reestruturaçao dos departamentos; redução dos custos operacionais e extinção de débitos em atraso.

Com isso a dívida bancária que era de  R$ 127 milhões no dia 30 de maio de 2017 caiu para R$ 29 milhões em 2019 e o saldo que era negativos em mais de 28 milhões em 2017, chega 2019 positivo em 26,7 milhões de reais. Com as dívidas restantes negociadas.

      Ele garante que já está mais tranquilo, encontrando uma possibilidade maior de acerto com os bancos. "Nós fizemos um esforço muito grande, abrimos a cooperativa com a maior transparência possivel para que todos a conhecessem nas suas dificuldades também, que até então que se falava sobre a cooperativa é que era uma grande empresa, de fato é, mas que passou por um momento crucial nas suas finanças e nós conseguimos negociar com os credores a partir de uma transparência muito grande também que os associados", explicou Fausto Amaral da Fonseca.

      O QUE FOI FEITO.  De acordo com o presidente foram feitas várias assembleias explicando a situação da cooperativa. "Mostramos aos nossos credores e fornecedores a real situação econômico-financeira da Coopa. Os dodos indicavam que a cooperativa tinha uma estrutura de patrimônio muito boa, muitos associados, mas carecia de um capital de curto prazo que que fortalecesse seu caixa. Fomos buscando os recursos, conseguimos negociar com os bancos, negociamos com fornecedores, pagamos todo atrasado, reprogramamos alguma coisa, mas na condição que pudéssemos fazer esse pagamento sem um atropelo que daqui para frente", disse. 

      MAIS TRANQUILO. Fausto Amaral explicou ainda que a situação está mais tranquila hoje. Que a direção está "virando uma página importante da cooperativa. Infelizmente, uma página que não foi muito boa, mas agora as perspectivas de voltar a prestar um bom serviço para associado e garantir que o giro dela possa fazer com que ela funciona adequadamente", concluiu 

advaldo-coopa

 Advaldo Pereira da Cruz,coordenador do Centro Comunitário de Santo Antônio da Bocaina

      O ASSOCIADO. Advaldo Pereira da Cruz, que  é o coordenador do Centro Comunitário de Santo Antônio da Bocaina disse que como associado ficou preocupado com a situação da cooperativa que viveu uma crise muito grave, mas agora tá começando a clarear. 

      Na opinião dele, "antes faltou um propósito mais absoluto, hoje, a nova diretoria marca um rumo que permitiu solucionar o individamento bancário, graças a Deus", concluiu. 

parceiros1

     Alguns dos parceiros da Fenicoopa...

      FENICOOPA. Também foi apresentado o novo formado da Fenicoopa(Feira de Negócios da Coopa). De acordo com o presidente até os parceiros estão retornando ao ver a situação que chegou a quase insolvência, encaminhada para a solução.

      A 13a Fenicoopa será realizada em setembro diferente do ano anterior, quando poucos parceiros tiveram coragem de investir. Agora, ela será mais ampliada, terá mais diversificação de produtos, um volume maior e os associados terão uma boa uma oportunidade de negócios.

parceiros2

...compareceram ao lançamento do evento

      O evento acontecerá na loja que fica na Avenida Dom José André Coimbra. "Este ano ela vai ser mais ampliada, uma linha mais diversificada de produtos e em condições melhores para os  associados da cooperativa. O objetivo principal da Fenicoopa é criar oportunidades de negócios accessíveis para o produtor, diferentes do restante do ano. Isso vai acontecer e com produtos também diferente", disse. 

     Este ano serão sorteados vários prêmios, entre eles um carro zero.