Decreto de intervenção no Rio é aprovado na Câmara; Senado analisa medida nesta terça

Foram mais de sete horas de sessão. Eram 2h15, desta terça-feira (20), quando os deputados aprovaram, por 340 votos a favor, 72 contra e 1 abstenção o decreto que autoriza intervenção federal na segurança pública do Rio de Janeiro.

A sessão plenária extraordinária começou pontualmente às 19h, com somente 16 deputados presentes. Antes de iniciar o processo de votação, o presidente da Casa, Rodrigo Maia (DEM-RJ), discursou a favor da medida.

O líder da minoria, José Guimarães (PT-CE), criticou a intervenção e disse que a Câmara deveria vetar o artigo que permite que um militar ocupe o cargo de interventor.

Rodrigo Maia fez questão de dizer que não cabia aos parlamentares acrescentar ou retirar informações do decreto.

O deputado Índio da Costa (PSD-RJ) avaliou que faltou planejamento na proposta da intervenção. E disse que, se fosse ele, faria diferente.

A relatora, Laura Carneiro (MDB-RJ), apresentou o parecer favorável ao decreto e, para ela, a intervenção foi planejada devidamente.

Partidos de oposição chegaram a apresentar requerimentos para retirar o decreto da pauta ou adiar a votação, mas todos foram derrotados. Apesar de o decreto não poder sofrer emendas, a relatora Laura Carneiro sugeriu ao governo federal que a União destine verbas para políticas de assistência social no Rio.

E, no Supremo Tribunal Federal, o ministro Celso de Mello negou um mandado de segurança do PSOL, que pedia para suspender a intervenção no Rio de Janeiro.

(Radioagência Nacional)


atenas-bernoulli-21112017