Prefeitura enfrenta problemas de prazo para construir novo Pronto Socorro e pode perder verba

santacasa2

 

O local onde a Prefeitura pretende construir o Pronto Socorro ainda depende do conselho e da irmandade da Santa Casa para a doação: hospital faz exigencias. Foto: Google Earth

 

Da Redação da Rede Hoje | Patrocínio Hoje

 

A Prefeitura de Patrocínio tem sérios problemas para cumprir os prazos e construir o novo Pronto Socorro. Entre eles, a Santa Casa que exige algumas condições para a doação do terreno e que são pertinentes. O assunto veio à tona nesta quarta-feira no jornal da Módulo FM que recebeu - de uma fonte do Governo do Estado - a informação de que a verba estaria ameaçada.  

 

Numa reunião na tarde desta segunda-feira à tarde entre a Prefeitura e Santa Casa ficou definido que os departamentos jurídicos das duas instituições vão estudar a melhor forma de fazer esta doação do terreno, pois para o Tribunal de Contas  a sessão por 30 anos não é basta, tem de ser doação.

 

Para doar o terreno a Santa Casa exigeQue a área seja destinada realmente ao Pronto Socorro. Que não seja usada para qualquer outro fim - como por exemplo uma Secretaria Administrativa. Que os dois andares superiores sejam cedidos em definitivo a ela - Santa Casa, entre outras exigências.

 

A Rede Hoje apurou que isso tudo já estava previsto desde a definição de que seria construído um novo Pronto Socorro no terreno da instituição. Agora restam as seguintes perguntas: essas ações não deveriam ter sido executadas quando foi definida e autorizada a construção? Por que só agora os departamentos jurídicos vão terão esses encontros? E a mais séria de todas, dá tempo?

 

A Prefeitura não quis se pronunciar. Nesta quarta-feira pela manhã o prefeito Lucas Siqueira e o vice-prefeito Roberto Queiroz do Nascimento, Bentinho, foram procurados. O prefeito estava em reunião e prometeu pela sua assessora dar detalhes posteriormente. A vice prefeito não foi encontrado. As informações são que eles falarão, mas não houve determinação de quando. 

 

Ao jornal da Modulo FM, Ricardo Bartholo, provedor da Santa Casa disse que se não forem cumpridas as exigencias da Santa Casa o terreno não será doado, pois "pode acontecer como ocorreu no passado, de um prefeito no futuro não interessar mais no Pronto Socorro no local por qualquer motivo e a Santa Casa ter que arcar com problema. Alem do mais, aquela área é que nós temos para crescer" concluiu.

 

Ou seja, se a Santa Casa não abrir mão, o dinheiro do Estado não vem, mesmo já tendo contrato assinado, pois a verba é específica para a construção do pronto socorro e alí, naquele local. Mas, Bartholo disse que a irmandade e o conselho da Santa Casa se reúnem ainda em setembro e darão uma resposta. Ela pode ser positiva, vai depender do parecer do departamento jurídico do hospital, que também vai reunir com o departamento jurídico da Prefeitura. 

 

Provavelmente o prefeito Lucas Siqueira vai convocar a imprensa para uma entrevista coletiva sobre o assunto.


Expresso União (inicial)