Cláusula de contrato do Mineiro com a Globo impede o Cruzeiro de jogar no horário nobre do futebol e a FMF pode estar retaliando o Cruzeiro por ter assinado com O Tempo, do adversário do presdiente da federação Adriano Aro



CAP x Cruzeiro será o único jogo do Cruzeiro concorrendo com a transmissão e Atlético MG e América
. Foto: Cruzeiro|Divulgação

Da Redação da Rede Hoje

O Cruzeiro vai jogar num horário fora do habitual no futebol. Vai estrear no Campeonato Mineiro de 2022 no dia 26 deste mês, contra a URT, uma quarta-feira, às 17h, no Mineirão. Não é apenas na primeira rodada, será assim em toda a primeira fase, com exceção da última rodada, contra o Patrocinense no Pedro Alves do Nascimento, em Patrocínio, quando todas as partidas começam ao mesmo tempo. O duelo com a URT tem explicação e tem a ver com a venda dos diretos de transmissão, mas também com questões políticas.

O duelo com o Patrocinense, dia 19 de março, é o único do Cruzeiro num domingo à tarde. Os demais jogos não podem coincidir com as partidas negociadas com a Globo, SporTV e Premiere. De acordo com apuração do site UOL Esporte, no contrato assinado entre FMF e 11 dos 12 clubes da competição, existe uma cláusula que garante preferência de horários para as partidas televisionadas pela emissora carioca. Portanto, como o Cruzeiro não faz parte do acordo, já que assinou com a Sempre Editora, proprietária do jornal O Tempo, o horário inicial das partidas da Raposa não podem coincidir com os compromissos dos rivais América-MG e Atlético-MG.

O Cruzeiro se apoiou na Lei do Mandante, sancionada pelo Presidente Jair Bolsonaro, em setembro do ano passado, para negociar com a Sempre Editora. Ainda na gestão de Sérgio Santos Rodrigues, o clube estrelado recebeu R$ 5 milhões e garantiu ao grupo editorial a exclusividade dos jogos dentro de casa em todas as plataformas.

Com a cláusula de preferência, os jogos do América e do Atlético aparecem diversas vezes nos horários que são considerados nobre no futebol, como são a quarta-feira à noite e o domingo à tarde.

RETALIAÇÃO POLÍTICA. Não é segredo que existe uma rixa política entre Vittorio Medioli, prefeito de Betim e dono da Sempre Editora, com a família Aro. O presidente da FMF é Adriano Aro, irmão do deputado federal Marcelo Aro. Ambos não se dão bem com Medioli.

A marcação dos jogos do Cruzeiro em horários inusitados foi recebida como uma retaliação ao prefeito de Betim, como apurou o UOL Esporte. Os horários incomuns, como quarta-feira à tarde, vão impactar diretamente no planejamento da empresa, que vai vender pacotes de streaming para recuperar o dinheiro investido na compra dos direitos dos jogos da Raposa como mandante.

Os horários dos jogos da primeira fase do Campeonato Mineiro não foram bem recebidos pelo Cruzeiro. Mas num primeiro momento, a diretoria celeste vai adotar uma postura de diálogo. Como vai procurar a FMF para tentar alterar os horários de algumas partidas, o clube ainda não vai se manifestar de forma oficial.

Ao adotar uma postura mais cautelosa, o Cruzeiro evita aumentar a ira da torcida, que mais uma vez se sente boicotada pela entidade que comanda o futebol mineiro. Sem uma pressão maior do que já existe, a direção cruzeirense está confiante de que terá sucesso na solicitação de mudanças de horários.

Para alavancar o programa de sócio-torcedor, a Raposa vai dar ingressos para quem está em dia com o pagamento da mensalidade para os dois primeiros jogos do Estadual. Certamente jogar à tarde numa quarta-feira não ajuda em nada no planejamento financeiro do Cruzeiro