ELE CUMPRE COM DIGNIDADE TODOS SEUS PAPÉIS..


Hoje não é a data do aniversário dele, mas quem disse que se deve enaltecer uma pessoa somente em seu níver.

Ele cumpre com dignidade todos os papéis que Deus o escala para fazer..
Eu poderia homenagea- lo como AMIGO.
Ele veio da "Universidade do Tampinha" ( empresário tipógrafo) , para a Serviços Gráfico União, posteriormente, Gráfica A3) passamos trinta anos trabalhando lado a lado na Arte de Gutenberg.
Muito labor, muita produtividade, muito riso e, claro, muito perrengue.
...Posso afirmar que ele estará entre os três primeiros que chegarão para o meu velório e entre os três últimos que me deixarão no "Campo Santo"...
Acho que não preciso falar nada mais...
Poderia homenagea-lo como TRABALHADOR.
Profissional de Offset, ímpar. Colaborador exemplar. Dedicado, caprichoso, comprometido.
Poderia homenagea- lo com ex- CRAQUE de futebol. Jogando o fino da bola.
Poderia homenagea-lo como CIDADÃO, aplicado em seus deveres. Discreto e humilde.
Poderia homenagea- lo como LUTADOR. Afinal, "sete tipo de lutas, fora os pulos esquisitos" que ele pratica, rsrs
Mas quero homenagea- lo mesmo é como PAI.
"Milton, mas a próxima data é 'Dia das Mães' Eu sei. Eu sei. Mas tem Pai, que é Pai e Mãe. E tem Mãe, que é Mãe e Pai.
Eis uma verdade por ai...
Amanda Luísa e Pedro Henrique, sabem que tem um pai, um guia, um amigo, um guerreiro, que move céu e terra por eles..
Talvez ele não seja capa de jornais ou revistas como cidadão exemplar, embora mereça.
Talvez ele não seja nome de logradouro público, apesar de ser digno.
Talvez ele jamais adentre a Câmara Municipal de Patrocínio para receber alguma homenagem, mesmo tendo feito por onde.
Mas pessoas como ele merecem é o "Nobel da Paz". Cumprem com dignidade todos os papéis que Deus o escala para fazer...
xxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxx
 

                                                        ÓDIO MORTAL... DO BEM


Rola profusamente na rede “elogios” iguais a estes ao Presidente:

"O meu sonho sempre vou matar o Bolsonaro. Eu sempre falei abertamente. Eu quero matar ele. Quero que ele sangre na minha mão. Se liberar, você vai morrer com a própria arma, porque eu vou te matar" (Imagina se este ameaça fosse contra o “cabeça de ovo...chôco?”)
A facada que lhe deram, não lhe matou. Eu sou ex combatente do Exército. E eu tenho vergonha de você, seu moleque. Se a faca do cara não lhe matou, eu vendo tudo que eu tenho, vou a Brasília, e com isso aqui, lhe mata, Satanás”, ( imagina se esta promessa contra o Presidente fosse contra alguém da ditadura/ativismo/terrorismo jurídico/político/midiático?)
Chega. Um Canalha, bandido, bastardo. Te desejo uma morte lenta e dolorosa. E sem redenção, idiota.” ( imagine este desejo fosse contra alguém do poderoso poder?)
Eu não desejo a morte para ninguém por mim pode enterrar o Bolsonaro vivo mesmo” ( É muita bondade no coração, não?
Tem o ódio do bem gratuito ( tipo o Adélio, que o STF, ainda mantém seu celular a sete chaves) e tem o ódio do bem dos mamutes do dinheiro público. Antes de Bolsonaro cada artista podia captar até R$ 60 milhões por ano. Ora, você sabia que 78% da verba da Lei Rouanet ficava concentrada nas mãos de 10% das grandes empresas? A MAMATA ACABOU. Pena de morte para bolsonaro por este crime hediondo.. Ai Gil, Caetano, Daniela Mércure, Ivete, Zé de Abreu, Fernandinha Montenegro, Thaís Araújo, Marieta Severo, destilam ódio... mas é ódio artístico. Olha. Isto se chama farra com o dinheiro público, se você, apoia, não posso fazer nada...

COMO NÃO VOLTARÃO AO PODER. COMO?
É canhão contra formiguinha o tempo todo. Quatro anos de campanha política da canhota, sem cortar fumaça. Agora tá tudo dominado, tudo conchavado, tudo esquematizado, tudo arquitetado, tudo amarradinho. PT, PSB, MDB, PSOL, PSDB, STF, Senado, Câmara Federal, ninguém soltou a mão de ninguém. Imagine quantas reuniões de “vossas excrecências, com vossas excremências” na calada da noite nas mansões de Brasília,“defendendo o povo” com a famosa “conversinha ao pé do ouvido”, arquitetando “o nosso futuro”. Ações com a cobertura, o apoio, o incentivo e a mãozinha do Supremo Fedemal. Tudo começou, com a facada do bem, depois não aceitando o resultado das urnas... atualmente a perseguição tem proporções estratosféricas. “Bolsonarismo” é crime de lesa- pátria. Tinha que ser um presidente peito de aço, mas infelizmente é um homem de carne e osso. O mámore do inferno não esfria. Como governar bem o Brasil neste braseiro infernal. Um exemplinho: Depois do indulto presidencial, Daniel Silveira foi multado em R$ 405 mil pelo super xandão, o ministro do Supremo também determinou desconto em folha de Daniel de 25% do seu salário além do bloqueio de todas as contas bancárias do parlamentar. Dia e noite, noite e dia a mídia do ódio ( ódio... do bem),aplaude. Emprensa aquela que chegou a dizer “despiorar”, sem o famoso “faz-me rir” ,o pissoal bate, bate, bate sem escrúpulos. Como disse, os artistas e intelectualoides, estes, sofrendo com a síndrome de abstinência da Lei Rouanet, vão pra lacrosfera, dão pitis homéricos, xililiques medonhos detonando o Presidente. È gente com PhD e Doutorado, que há muito deixou os escrúpulos acadêmicos e refinamentos tais de lado. Vale tudo... contra Bolsonaro. Se não voltarem ao poder é por que são mais ruins do que aparentam...

PANELINHAS NÃO REPRESENTAM A NAÇÃO PATROCINENSE


Falemos paroquialmente.

Mais um eleição se aproximando e Patrocínio nunca esteve tão, fracionada, divida politicamente. É panelinha A, B, C, D, F... lutando pra subir no pau -de -sebo do poder. O modo como a maioria dos nossos políticos vêem a Nação Patrocinense lembra muito aquela velha lenda da Índia. Diz lá que certo homem levou um elefante para sua vila e durante a noite amarrou-o no estábulo aos fundos de sua casa. Os cidadãos curiosos perceberam que o homem, de fato, tinha posto algo muito grande ali, mas por causa da escuridão não podiam enxergar bem o que era. Cada um voltou e fez uma descrição que pensava estar ali. O primeiro disse: “ É um grande cano”. Ele tinha tocado na tromba do elefante. O segundo voltou dizendo : “ Não é cano. Acho que o homem está com quatro troncos de árvores dentro do estábulo”. Ele tinha engatinhado por entre as quatro pernas do elefante. Outro disse; “Não e não! Há duas grandes folhas penduradas no teto do estábulo” Ele tinha tocado nas orelhas do animal. O último cidadão passou pela porta dos fundos do estábulo e voltou afirmando: “O homem está vendendo corda. ”Ele tinha pegado na cauda do elefante. Só com nascer do sol os homens viram a forma do elefante. Uma parte não é o todo; panelinhas não representam a Nação Patrocinense!


                            QUEM ESTÁ PENSANDO NO FUTURO DE PATROCÍNIO?..


Neste contexto, com mais uma eleição a caminho, na falta de articuladores políticos, rangeliano, cabe a pergunta, que faremos, sim! Vê-se muitos movimentos, reuniões, discussões, pré-candidatos. Com a campanha eleitoral reduzida de 90 para 45 dias. O pessoal fica apertado de costura. Mesmo sem oficializar a candidatura, na rua e na rede pode vale visitar hospitais, participar de encontros com lideranças, usar as redes sociais e até lançar pré-programa de governo. Tudo isto vem sendo feito... MAS a pergunta é: QUEM ESTÁ PENSANDO NO FUTURO DE PATROCÍNIO?

Cabe a pergunta, sim! Vê-se muitas estratégias, armações, jogadas, esquemas, feiquinius, entrevistas, tititi, balela, trololó... MAS a pergunta é: QUEM ESTÁ PENSANDO NO FUTURO DE PATROCÍNIO?
Cabe a pergunta, sim! Vê-se muitos buscando apoio, aliados, filiações, cabo eleitoral bom de roda, gente boa de votos, panelinhas são reforçadas; trincheiras eleitorais são erguidas. E tome política ferro e barro... MAS a pergunta é: QUEM ESTÁ PENSANDO NO FUTURO DE PATROCÍNIO?
Cabe a pergunta, sim! Vê-se muitos paladinos, justiceiros, revanches, desforras, ‘bateu levou’...MAS a pergunta é: QUEM ESTÁ PENSANDO NO FUTURO DE PATROCÍNIO?
Cabe a pergunta, sim! Vê-se denúncias, demagogia, marketing pessoal, outdoor, bravatas online, populismo...MAS a pergunta é: QUEM ESTÁ PENSANDO NO FUTURO DE PATROCÍNIO?
Cabe a pergunta, sim! Vê-se muitas fotos, sorrisão, lacração, selfs, lives, Instagram, Twiter, Facebook, tudo bombando, MAS a pergunta é: QUEM ESTÁ PENSANDO NO FUTURO DE PATROCÍNIO?
Eleição não combina com injustiça. Tenhamos em evidência e sobre criteriosa avaliação o trabalho da Deputada Greyce Elias, Zé Vitor, Weliton e Elismar Prado, Bosco Gustavo Santana.. (Mais alguém?).
E ao que tudo indica na esfera estadual teremos pratas da casa: Maria Clara Marra, Gustavo Brasileiro e Marcelo Queiroz.
A se confirmar candidaturas, mas uma coisa pode se afirmar. Nenhuma cidade na região possuem lideranças jovens tão promissora. A se confirmar candidaturas o eleitor patrocinense terá muito trabalho na escolha. Jovens líderes com perfis diferentes, mas com algumas coisas incomuns. Uma delas é a vontade de servir. A outra é o legado familiar. Marra, Brasileiro e Queiroz. Retira de Patrocínio as realizações de Deiró Marra, Silas Brasileiro e Romeu Queiroz e vejamos o cenário que resta. Como os três procederão com seus respectivos legados. Maria, claro, esbanjando potencial, sob o olhar experiente do pai, sem por os pés na vida pública do lado esquerdista da história; Gustavo, reverenciando com orgulho e honra o legado de trabalho, ética e política com princípios do tio; Marcelo, precisa colocar na balança o que foi o pai. Deputado Estadual por três legislaturas, presidente da Assembleia Legislativa de Minas Gerais (ALMG) por dois períodos. Homem forte para o governar de Minas.
Cabe a pergunta decisiva, sim! Qual deles pensou, pensa e pensará realmente no FUTURO DE PATROCÍNIO?

Foto: Johannes Kirchherr | Pixabay 



Prestação de Contas
. Todo órgão público tem a obrigação legal e moral de fazê-la. Seja do Executivo, Legislativo ou Judiciário. Seja órgão público pertencente a qualquer nível (federal, estadual ou municipal). Essa prestação de contas é dever, é ato compulsório. Isso devido à soberana regra: todos os órgãos públicos são custeados, são mantidos, pelos impostos e taxas pagas pelo cidadão. Por isso, cada órgão público tem que estar sempre prestando o seu serviço específico para o cidadão comum. Um tipo de prestação de contas muito usual é o que cada município e o Estado fazem: prestar contas ao Tribunal de Contas do Estado–TCE. Como exemplo de prestação de contas, numa linguagem bem simples, a utilização do aplicativo (para celular e computador), denominado Lupa de Minas do TCE-MG, revela o perfil administrativo dos 853 municípios mineiros. Patrocínio, pela sua importância e prosperidade, é um bom começo analítico.

O QUE É O LUPA DE MINAS – É um aplicativo gratuito do TCE-MG, lançado em 2019. É a nova ferramenta para acompanhar as administrações municipais, com informações dos próprios gestores, prestadas ao TCE, desde 2016. O cidadão, em seu celular, vê Receitas e Despesas dos setores Saúde, Educação e Obras, dentre outras informações. A apresentação dos valores é lúdica e objetiva.

SAÚDE ESTÁ BEM – Em 2021, a Prefeitura aplicou 21,9% em Saúde. O mínimo estabelecido em lei é de 15%. Portanto, Patrocínio gastou com Saúde, quase 7% a mais. Em reais, R$ 46 milhões (o mínimo exigido é de R$ 31,6 milhões). Assim, quase R$ 15 milhões a mais do que o mínimo legal. Daí, palmas para a Administração Municipal. Gasto com Saúde é plenamente investimento.

OS MAIORES INVESTIMENTOS EM SAÚDE – O grupo “Assistência Hospitalar e Ambulatorial”, onde estão as despesas geradas pelo Pronto Socorro e Unidades de Saúde, principalmente, gastou R$ 21,6 milhões (do total de R$ 46 milhões). Vacinação, mesmo com as vacinas disponibilizadas (doadas) pelos governos Estadual e União, gerou despesa de quase R$ 1 milhão para a Prefeitura. E o grupo “Serviços de Saúde” (tratamentos, etc.) consumiu R$ 12,3 milhões. A Prefeitura ainda executou financeiramente R$ 1,7 milhão em aquisição de medicamentos classificados no grupo “Suporte Profilático e Terapêutico”.

BOM REGISTRO – Segundo o TCE, a Prefeitura conta com 17 profissionais da Saúde de ensino médio e 175 profissionais de nível superior. É a “tropa de elite” contra (qualquer) a doença da população. Mais palmas...

EDUCAÇÃO PRECISA MELHORAR – Em 2021, o Município gastou R$ 48,1 milhões com o Ensino, segundo a Lupa do TCE. É um valor alto, porém aquém do mínimo estipulado pela lei (no caso de Patrocínio, R$ 53,7 milhões). Em percentuais, cada município tem que gastar no mínimo com Educação 25% das Receitas de Impostos e transferências de recursos obrigatórias na Educação. Patrocínio registrou o gasto (informado pela própria Prefeitura) de 22,4%. Na Lupa do TCE está vermelho. Está devendo. Está insuficiente.

PRINCIPAIS GASTOS COM EDUCAÇÃO – O Transporte Escolar custou, em 2021, R$ 9,7 milhões para os cofres municipais. Quase R$ 30 milhões (R$ 29,9 milhões) custou a Administração Escolar (professores e gestão das escolas). De acordo com a Lupa, faltam algumas informações setoriais da Educação (tipo IDEB – Ensino Básico e número de alunos matriculados) Sobretudo, com referência a 2021. Em 2022, não há nenhum dado informado.

A BOA RECEITA MUNICIPAL – Em 2021, a Receita Prevista foi de R$ 487,2 milhões, todavia foi arrecadada R$ 412 milhões (a Pandemia afetou um pouco a arrecadação). A Prefeitura arrecadou R$ 351 milhões, o IPSEM (Instituto de Previdência dos Servidores Municipais) quase R$ 39 milhões e o DAEPA pouco mais de R$ 22 milhões.

DO LADO DA DESPESA – Foram gastos R$ 363 milhões, distribuídos na Prefeitura (R$ 294 milhões), DAEPA (R$ 22 milhões), IPSEM (R$ 19 milhões) e Câmara Municipal R$ 8 milhões (R$ 7.808.689,00 exatos).

PESSOAL – Há 4.786 servidores e contratados, 396 aposentados e 272 pensionistas. Em resumo, o Município é o patrão de 5.454 servidores. Equivalente à população de uma cidade muito pequena.

PATROCÍNIO LUTOU BEM CONTRA A COVID-19 – Em termos de casos, segundo a Lupa do TCE, em 12/4/2022, houve 14.693 casos confirmados e 14.431 recuperados. Conforme o Maisumonline divulgou nessa semana, esses números, hoje, estão levemente superiores. O Município aplicou 121.822 vacinas. Com 262 óbitos, Patrocínio posicionou-se 44º lugar em Minas. Posição considerada padrão normal no contexto da pandemia. A Prefeitura gastou R$ 18.7 milhões no combate ao Coronavírus. Essas despesas, esses recursos, destinaram-se à Santa Casa, ao Pronto Socorro, oxigênio e aos profissionais na linha de frente, dentre outras despesas.

ENFIM – Vale a pena consultar o Lupa de Minas. É fácil. E é até gostosa de ver a informação.

(Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo.)


Tipo assim: Amo, Palavras. "Serendipidade" e "flanar", andam comigo sempre nas caminhadas que faço com os pés e a mente.
 
É voce andando com leveza por ai descobrindo preciosidades. Ponto.
"Palavra puxa palavra" - diz Machado de Assis- "uma ideia traz outra, e assim se faz um livro, um governo, ou uma revolução, alguns dizem que assim é que a natureza compôs as suas espécies."
 
Uma crônica despretensiosa também nasce assim deabulantezinha, de cena em cena...
Olha o céu azul de Patrocínio! "Azul - perdão" me lembrei de Manuel de Barros. A cor azul, significa fé, espiritualidade, paz, e tranquilidade. Recebo tudo isto sobre a minha cidade.
Que tal flanar pelos lados do Hospital de Amor, em construção?. Antão venha com migo. Ou sem migo se quiser.
 
Sigo pela Avenida Pedro Marra. E agora que entendi por que alguns chamam essa via de Avenida dos Bálsamos. É que lá estão duas placas próximas. Avenida Pedro Marra. E Bálsamos. Mas, do lado do Jardim Vitória ( Bairro do triunfante e vitorioso, José Maria Portilho, vencendo um câncer) é Avenida Pedro Marra, nome do saudoso Avô do atual prefeito. Avenida dos Bálsamos, Morada Nova, só até o balão. 


 
É por lá, rua Dr Deiró Marra, homônimo do prefeito, este, salvo engano, um renomado tio do atual gestor. Sabe como é esse negócio de homenagens. Quem está no poder tem estas e outras prerrogativas. É quando correligionários e políticos da família, da vez, tem precedência. Depois vem outros, outra obras, outras homenagens afetivas.
 
Meu, e estas rampas de acessibilidade. Onde um cadeirante e alguém com mobilidade reduzida, vai mesmo? Bater com a cara no poste da cerca de arame? ( não é trabalho do Dr Danilo Pereira, isto eu garanto ) Espalhadas pelos bairros da cidade, estão estas rampas sem a mínima noção, equipamentos sem a menor funcionalidade. Dinheiro público desperdiçado.



Empaticamente me vi numa cadeira de rodas, tentando andar nas calçadas da cidade. Ou.. Impossível. Uma  cidade não foi feita para todos.
Com essa cultura dá pra notar que a vida de quem é deficiente já não é fácil e não falta quem dificulta o máximo. Exemplo?
 

Quem não soube. Um jovem atleta mineiro, conhecido como Flavinho, foi impedido de entrar no tatame no campeonato sul- americano de Karatê. (Foto: Reprodução/Redes Sociais)

Foi desclassificado da disputa por ter a mão amputada. Mas o jovem tinha chegado até ali preparado pra isto. Ele que luta ( e vence) desde os 07 anos. Em 2019, quando a competição ocorria na Bolívia, em Santa Cruz de La Sierra, Flavinho obteve o 3º lugar. Havia vencido a seletiva no Brasil.  Pelo visto, mais do que um lutador comum, vai ter de ser muito forte para lutar contra grandes adversários e um terrível inimigo: O preconceito.


Espere ai...E esse solitário barraco de lona azul sendo erguido contrastando com o cenário por ali..


 
Lá está um senhor de certa idade tentando abrigar seus parcos pertences num casebre improvisado e ainda a ser erguido antes da noite.
Seguro meu ímpeto de aborda- lo. Certamente ele está constrangido, humilhado e mais um curioso é tudo que ele não quer ali por perto.
 
Venta muito. Aquilo chicoteia minha 'lma. Machuca meu olhar. É tocante ver uma pessoa que chegando ao entardecer da existência tem de lutar por teto, por pão e por dignidade. Certamente não era um "cidadão em situação de rua", mas pelo visto passa a ser. Com certeza vou perder o sono nesta madrugada e meu primeiro pensamento e prece vai ser pra ele.
" Ele não aguentou pagar aluguel" alguém por ali me revelou sem eu perguntar. Espero que ele seja amparado, não despejado pelo poder público. Há pessoas solidárias em nosso meio.. Volto pra acompanhar o caso.



 
Ops! Livro no lixo é comigo mesmo. Vou lendo, o título e o prefácio, querendo identificar o autor, a classificação, a editora. " O último Convite", um livro da doutrina Adventista do Sétimo Dia. Se o joguei fora? Não, levei pra casa. Vai ser lido e guardado no meu modesto acervo.
Tesouro no lixo. Já disse por aqui que conheci a extraordinária vida de Nísia Floresta, através de um livro que encontrei no lixo.
Uma vez em casa, o ritual anticovid. Devidamente esterilizado por Solange. " O Último Convite" não foi o primeiro, nem será o último.
 



Estou diante do Hospital de Câncer de Patrocínio- Hospital de Amor. Veja a robusta espinha dorsal daquilo que era um sonho.
Mas, excepcionalmente hoje, não vou enaltecer a diretoria, e as pessoas envolvidas na edificação desta monumental obra- isto deve ser feito sempre, sempre, sempre...mas outro dia..
 
Lá tem um Cachorrinho Preto. Um simples vira- lata. (acho que mais de um) mas fecha nele, por favor.
Provavelmente seja de um zelador que mora por lá.
Geente! Nos dias úteis, com os operários trampando na obra, ele é discreto, pode nem ser visto. Pasmacento acompanha todo movimento em uma sombra qualquer. Mas nos finais de semana, é a vez dele. Se transforma em guardador daquela obra. Só falta crachá e uniforme. Defende aquele espaço com unhas e dentes.
Quem o contratou para este trabalho? Quem designou a ele a tão nobre missão?
Um dia, por exemplo, estava lá e por coincidência, passou uma tropa de cavalos, uns dez, miguezando por ali, parecendo querer roubar alguma coisa, ele se agigantou e pos todos para correrem do local.
 
Parece saber que ali será erguido um monumento que vai salvar vidas. Mesmo sabendo que não terá seu trabalho lembrado ou reconhecido por ninguém, o anônimo guardinha, faz "a sua parte" com dedicação, senso de responsabilidade e bravura.
 
Passo diante do nova unidade de saúde que foi inaugurada na Sexta- Feira (29/04). Não tem como não pensar na exitosa gestão Deiró. No próximo pleito, se seus adversários vierem com discursos, frases feitas, vão levar lapada feia nas urnas. Dom Deirozão, tem obras e obras feitas pra mostrar.
 
É um elogio sim.. Mas, sei que ele não leu até aqui. Se apareceu alguma crítica no preâmbulo desta crônica ele encerrou por lá a leitura. Aliás, alguém já viu o tanto que secretários e assessores elogiam a administração em público. Dá impressão que o alcaide cobra isto. O homem é bom mesmo. É fera. Fodástico. Mas a coruja "gabando tôco" não pode exagerar tanto. É feio. É incenso demais. É babaovismo.
 
A última foto um flagrante que me fez pensar, que nem tudo está perdido. Ao fazer a calçada no entorno do complexo inaugurado, o pessoal salvou quatro árvores que já estavam plantadas ali onde passará o passeio.




Serendipidade! Eles vão fazer a calçada, salvando as árvores...Isto em Patrocínio é uma evolução a celebrar..

xxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxx

E POR QUE MARIA APARECIDA PALUCCI, AINDA NÃO É RECONHECIDA COMO SECRETÁRIA DE CULTURA..





Ela não precisa provar mas nada a ninguém sobre sua competência, habilidade, bom caráter, sensibilidade, carisma e simpatia.
 
Dois anos e lá vai pedrada, quando Eliane Nunes se licenciou para disputar uma vaga na Câmara Municipal, sendo, por sinal, bem sucedida, ela assumiu o cargo de Coordenadora da Secretaria Municipal de Cultura e Turismo. Falo de: MARIA APARECIDA PALUCCI - A CIDINHA DA CULTURA.
 
Com forte laço de amizade com a vereadora Eliane, deu sempre sequência e esteve sempre alinhada com os bons programas e propostas efetivadas pela ex-secretária. Portanto, infere-se que a parlamentar também aprove e apoie a ideia.
 
15 anos de Patrocínio, Cidinha abraçou a causa da cultura com rara desenvoltura, já recebeu o Título de Cidadã Patrocinense, atua firme como secretária, mas ainda é conhecida, apenas como coordenadora da secretaria. Sequer tem seu nome e sua foto ao lado do staff organizacional lá no portal da prefeitura.
 
Sabe-se que se trata de uma pasta com baixa dotação orçamentária, cuidando da Cultura e do Turismo e suas variações, o que exige muita criatividade e habilidade executiva, para manter girando um monte de pratos.
Senão vejamos.
 
Tem de acudir em tempo hábil a Corporação Musical Abel Ferreira; a Biblioteca Pública Municipal Idalides Paulina de Souza; o Conservatório Municipal de Música Dr. José Figueiredo; a Escola Municipal de Arte Irene Marra; o CEU das Artes; o Museu Histórico Municipal Professor Hugo Machado da Silveira; a Academia Patrocinense de Letras e Ponto de Cultura e Turismo Professora Maria Soares.
 
Palucci e sua brilhante equipe gira estes pratos e outros mais, com arte e maestria.
Portanto e por tanto: SECRETÁRIA Municipal de Cultura e Turismo: MARIA APARECIDA PALUCCI.
Cidinha já fez por merecer.
 
 

O mundo ocidental assistiu ,estarrecido, ao início da guerra na Ucrânia. Como pode em pleno século XXI uma guerra na Eurásia? Toda guerra é uma estupidez e decorre da rivalidade entre povos, ou do interesse em ampliar o poder de nações. No caso da Rússia não é diferente. As grandes potências sempre invadiram países e territórios para ampliar seu poder. Na antiguidade, Roma invadiu e destruiu Cartago, que era um empecilho à expansão do Império Romano. Mais recentemente, os Estados Unidos invadiram o Iraque, o Afeganistão, sendo que esta último há havia sido ocupado pela Rússia durante vinte anos. Nem Rússia, nem Estados Unidos conseguiram subjugar aquele povo.

Na Ucrânia, a peculiaridade é que o presidente não é um político, é um comediante. Conhecemos a fascínio e a influência que as mídias, especialmente a televisão, e as redes sociais exercem sobre as pessoas e se tornam um trampolim para a política. Pessoas sem nenhuma noção de política se elegem associando sua popularidade aos apelos da mídia. Romário e Tiririca são ótimos exemplos. Nada entendiam de política e chegaram aos altos cargos da vida pública: senador e deputado federal. Estes, pelo menos, foram e são bons políticos, sem nenhuma intenção de alçarem voos maiores.

Tomemos, agora, os deputados Daniel Silveira e Mamãe falei. Não têm nenhuma aptidão e noção de política, são broncos, sem cultura e, o que é pior, se julgam o máximo na política, fazendo todo tido de besteiras até serem cassados.

No Chile, uma pessoa muito nova foi eleita presidente. Não é político, vem das fileiras de protesto e da oposição. Todos estão curiosos, pagando para ver, o que vai acontecer com aquele país.

Como se coloca o comediante-presidente da Ucrânia? Como pode desafiar uma nação poderosa como a Rússia, com a qual faz fronteira e tem na língua russa a segunda língua de seu país? Será que imaginou que a Rússia não os atacaria?. Não avaliou as consequências de uma guerra para seu país? Não calculou a destruição que a guerra causaria? Acredito que não. Falta-lhe visão política, não tem nem mesmo noção de geopolítica. Obviamente, conhecia o poder militar da Rússia, mas, certamente, a falta de visão fez com que avaliasse mal as intenções da Rússia e consequências do enfrentamento.

E se seu concorrente, que era um político experiente, tivesse ganhado as eleições na Ucrânia? Teria estourado esta guerra? Não teria. Um político experiente teria avaliado de forma diferente um enfrentamento com a Rússia. Teria avaliado melhor as consequências da guerra e não agiria como bom-mocinho. Afastaria da OTAN em benefício de seu país.

Segundo maior país da Europa em extensão territorial, grande produtor e exportador de alimentos, muito industrializado, se vê, agora, arrasado por uma guerra insana que seu presidente, certamente, poderia ter evitado.

Enquanto a exposição na mídia e nas redes sociais forem o caminho para as pessoas se lançaram na política, estaremos sujeitos a pessoas desastrosas ocupando os cargos mais altos de um país, com prejuízo para a nação inteira.

Homenagem. É o que merece o ilustre e culto advogado Wilson Fernandes Veloso, falecido dia 11/4 (segunda-feira), aos 95 anos. Referenciando à sua memória, em poucas linhas, algumas palavras de sua autoria e a sua dedicação a outro patrocinense, de projeção nacional, homenageado por ele (Dr. Wilson): Oswaldo Pieruccetti (falecido, em BH, no dia 26/01/1990).

ELO ENTRE OS DOIS – Wilson Veloso, dentre os êxitos alcançados em sua existência, foi presidente do Instituto Oswaldo Pieruccetti, sediado em Araguari. Pois, Oswaldo foi prefeito daquele município (1948/1950), onde também se casou (com D. Eleonora de Carvalho). No livro “Oswaldo Pieruccetti, Vocação Para Servir”, Wilson fez a apresentação da obra literária. Escreveu: “...a vida de Oswaldo constitui, por inteiro e na sua feição mais consistente, um candelabro a marcar rumos a quantos almejam exercer, com dignidade, com honradez e com moderação, o exercício de uma profissão, trilhar os caminhos da atividade política ou peregrinar nas veredas da vida pública...” Na verdade, bela lição para os políticos da atualidade. Seria louvável se algum deles lesse o livro, escrito pelo acadêmico mineiro José Bento T. de Salles.

QUEM ERAM – Ambos udenistas. Ou seja, integrantes da União Democrática Nacional (UDN), sério partido político existente entre 1946 a 1964. Oswaldo, filho do italiano Adolpho Pieruccetti e da patrocinense Clotilde Mota. Nasceu na Praça da Matriz, lendário Hotel Globo, de propriedade de seus pais. Estudou no Grupo Escolar Honorato Borges (então, também na Praça da Matriz). Aos 15 anos de idade, pelo trem, dirigiu-se a Belo Horizonte para estudar, onde concluiu, com brilhantismo, o curso de Direito. No seu currículo é registrado a eleição para deputado estadual (1950, 1954 e 1958), coordenador das campanhas vitoriosas do governador Magalhães Pinto (UDN) e presidente da República Jânio Quadros, prefeito de BH por duas vezes, presidente da Siderúrgica Acesita e ocupante de diversos outros cargos públicos. Segundo Milton Magalhães, Wilson Veloso, além de renomado advogado, foi pecuarista, empresário, articulista da Gazeta de Patrocínio e também profissional de sucesso em Lavras, Belo Horizonte, Araguari e Brasília.

PALAVRAS CREPUSCULARES – Em novembro/2020, Dr. Wilson, direto da Fazenda Vereda dos Palmares, ofertando exemplar do referido livro, anotou no mesmo: “Ao amigo Eustáquio Amaral, ícone virtuoso do nosso jornalismo rangeliano e cultor de nossa história, aqui vai um precioso “retalho” de nossa colcha ontológica, que o tempo teceu.

Com admiração e especial apreço do leitor, Wilson Veloso.” Três meses depois (fevereiro de 2021), enfatizou ao telefone: “... você já recebeu o livro?” E Patrocínio desfilou na conversa agradável por 15 a 20 minutos. Assim, terminou a inimaginável despedida. Por tudo, gratidão a Wilson Fernandes Veloso. Eterno marco patrocinense. Na convivência e na política. Assim foi. Assim seja no exemplo para todos.

(Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo.)